Adotar diferentes estratégias para gerenciar o armazenamento de produtos pode ajudar a evitar perdas e aumentar a vantagem competitiva de sua empresa.

É comum que muitos empreendedores e gestores possuam dificuldade com os diferentes tipos de estoque e não entendam muito bem como adotar as melhores práticas para aperfeiçoar o desempenho logístico da empresa.

Identificar, entender e planejar as variações do estoque é fundamental para atender aos clientes da melhor forma. Afinal, esses processos são refletidos diretamente na disponibilidade das mercadorias e nos prazos estipulados.

Neste texto, você vai compreender os 8 principais tipos de estoque e sua respectiva finalidade, em quais situações cada um é indicado e por que a forma de armazenar insumos e produtos tornou-se algo tão importante nas empresas.

8 tipos de estoque que sua empresa deve conhecer

Dependendo do segmento do negócio, diferentes estratégias para o sistema de armazenamento podem ser adotadas. Assim, é importante conhecer os diferentes tipos de estoque e quando eles são indicados. Confira:

1. Estoque de antecipação (ou sazonal)

itens para estoque com tema sazonal de halloween e natal

No estoque de antecipação, também chamado de sazonal, a produção ou a aquisição dos produtos ocorrem de forma antecipada a algum evento em que há previsão no aumento da demanda. 

Esse tipo de estoque é bastante utilizado em datas como Black Friday, Natal, Páscoa, Dia das Mães, Dia dos Namorados, Dia das Crianças, etc.

De acordo com dados da Revista E-commerce Brasil, a principal data comemorativa do calendário brasileiro é o Natal. Para se preparar para esse e outros picos de venda, é preciso que o estoque esteja sob medida de forma a evitar escassez de produtos. 

Um erro no planejamento pode significar prejuízo caso as vendas não ocorram como o esperado. Esse modelo é utilizado ainda como contingência, quando existe a possibilidade de interrupção no fornecimento de algum item.

2. Estoque de ciclo

rodas e pneus de estoque de ciclo automobilístico

O estoque de ciclo é uma ótima opção para organizações com alta rotatividade de produtos e que precisam lidar com demandas diferentes dependendo do período do ano. Aqui, o foco é em otimizar o estoque de acordo com a necessidade.

Muitas indústrias que operam em diferentes estágios do setor produtivo também utilizam o estoque de ciclo, pois alguns itens podem não ser fabricados de maneira simultânea, mas serão comercializados posteriormente.

Em uma empresa do setor automotivo, por exemplo, os componentes são fabricados e estocados em ciclo, para que estejam disponíveis no momento certo para serem utilizados no produto final, que é o automóvel.

3. Estoque de proteção (ou isolador)

Esse tipo de estoque é o mais comum nas empresas e tem como finalidade protegê-las em cenários em que há muita ou pouca demanda. Ele também garante segurança em caso de problemas com o fornecedor de um determinado item, seja para produção, comercialização ou para a prestação de serviços.

Para montar um estoque de proteção, é necessário adquirir os produtos antecipadamente, em volume suficiente para lidar com eventuais baixas de fornecedores ou alta nas demandas. Essa estratégia é ideal para situações como alta dos preços, elevação súbita na demanda e eventuais greves. 

Uma vez compreendidos quais produtos vendem mais e quais vendem menos, planeja-se um estoque de proteção, também conhecido como estoque isolador.

4. Dropshipping

imagem de um smartphone desenhado em um papel, com formatosdos continentes, e embalagens aos lados do desenho representando dropshipping

O conceito acompanha o crescimento dos e-commerces e de tendências como os marketplaces. Aqui, o consumidor realiza a compra em uma loja virtual, que encaminha o pedido ao fornecedor, que, por sua vez, entrega em nome da loja.

O e-commerce nesse caso pode ser encarado como um intermediador entre o consumidor e o fornecedor, sem precisar investir na gestão de estoque. É essencial, no entanto, contar com boas parcerias para atender às demandas e entregar no prazo. Nesse caso, não há o intermédio de um centro de distribuição.

5. Estoque de canal (ou de trânsito)

containers e trailers coloridos simulando estoque de canal

Considerado um tipo de estoque intermediário, o estoque de canal, ou estoque de trânsito, lida com os produtos que estão no trajeto entre a sua origem e o seu destino final, isto é, entre o fabricante e o revendedor.

Um contêiner em um navio ou um caminhão de transporte são considerados estoques de canal. E, enquanto o produto está nesses veículos, ele é responsabilidade da empresa.

Providenciar um sistema de checklist para auxiliar nas atividades logísticas e na gestão do estoque é imprescindível para criar roteiros e acompanhar em tempo real a localização das mercadorias.

6. Estoque inativo

Produtos inativos são aqueles que não tiveram demanda. Com o tempo, se tornam obsoletos, apenas ocupando espaço no galpão ou local de armazenagem, sem trazer lucro para a empresa. Na verdade, há custos envolvidos em seu armazenamento, causando o prejuízo.

Como lidar com o estoque inativo? Aqui, estratégias de marketing e vendas são fundamentais. Os itens podem ser liberados em promoções, ou utilizados como brindes em compras acima de determinado valor. Se nada disso for possível, entre em contato com o fornecedor e busque negociar a troca. 

7. Estoque máximo

Atua sobre a quantidade máxima de produtos que podem ser estocados por um período de tempo previamente determinado, como, por exemplo, até a data do próximo pedido.

O estoque máximo é muito utilizado para a negociação de descontos em compras maiores e para empresas que operam com a capacidade máxima de seu armazenamento, seja por motivos financeiros ou devido ao armazenamento disponível.

8. Estoque consignado

O estoque consignado é o único tipo de estoque que não é de posse da empresa, mas a propriedade dos produtos continua sendo do fabricante. Mantido por terceiros, esse é um modelo vantajoso para quem está começando um negócio e busca entender melhor como se comporta o consumidor.

Outra vantagem é que o comprador pode manter um estoque elevado, pois é possível que os produtos que não foram vendidos sejam devolvidos. Os itens abastecidos pelos fornecedores são distribuídos conforme a demanda do cliente final.

Como definir o melhor estoque para seu negócio

Procurar conhecer bem os diferentes tipos de estoque existentes é um caminho importante para quem busca mais eficiência nas operações logísticas, antecipando demandas e diminuindo custos e perdas.

Para que a empresa consiga entender o contexto no qual está inserida e aproveitar as oportunidades de mercado, é necessário identificar os produtos mais vendidos e os insumos mais utilizados nos processos.

Afinal, quando faltam produtos, o cliente acaba buscando outro vendedor. Ao mesmo tempo em que, quando há estoque demais e produtos parados, a empresa está perdendo dinheiro.Agora que você já compreende melhor os diferentes tipos de estoque, é hora de aprender a ter mais eficiência na hora de distribuir os produtos, para evitar o temido estoque inativo. Entenda como aumentar a eficiência da logística de distribuição na sua empresa.